No ano de 1946, José Matos Correia, homem de muita fé e devoto fervoroso de São José, pediu ao santo protetor que lhe desse forças para que fosse construída uma capela que levaria o seu nome como padroeiro, porém morre no ano seguinte, 1947, sem que houvesse tempo de cumprir sua promessa.

No mesmo ano, seu filho Manoel Matos Correia, carinhosamente chamado de Manequinho, assume o compromisso feito em vida pelo pai e faz a doação do terreno. Junto com sua esposa, Dona Firmina e seus filhos ainda pequenos: Mariana, Antonio José, Maria de Fátima e Marli, montam uma tenda para abrigar o altar, onde eram celebradas as missas, segundo relato de Mariana e Marli filhas de Sr Manequinho. Também dados tirados de um Boletim informativo de fevereiro de 1987, “Ka Entre Nós”, que trazia um artigo intitulado: “A Nossa Origem” – contados na época por dona Firmina. Com o material doado pela família de seu Manoel, e a ajuda dos irmãos: Anastácio, Chiquitano, Pedro Pinto, Ernesto Martins, Oliveo, Alfredão, Luiz Ribeiro, João Arruda e outros, inicia-se a construção da capela.

Em 1950, acontece a primeira missa celebrada pelo Frei Amadeus da Paróquia Santa Rita de Cássia, a qual a comunidade pertencia. Com o nome de seu padroeiro São José Operário, ainda escolhido em vida pelo senhor José Matos Correia, por ser a vila de operário, sendo na época, a maioria trabalhadores da Fábrica de Tecidos Santa Rosália.

Com missa celebrada uma vez por mês, Dona Firmina e Sr Manequinho, põe-se à frente dos trabalhos da comunidade. Conta-se que sem lugar para trabalhar, a catequese era realizada embaixo das árvores, no pasto, arredores da Capela. Um dos primeiros catequistas, citado foi o senhor Natalino Bertim.

Em 1956, assume o Frei Sigismundo e é lançada e abençoada a Pedra Fundamental, mais que um sonho, Sr Manequinho e Dona Firmina viam crescer dia a dia a tão sonhada Igreja de São José Operário, junto com seus filhos e irmãos de comunidade que na época ajudaram a levantar nossa igreja como: João Maia, Carlito Perrela, Dona Tereza, Pergoraro, João Pedreiro e muitos outros.

Quermesses, bolo com o formato da fachada da igreja, eram feitos para angariar fundos, para a construção da torre, leilões, desafios de Cururus, famosos na época, tudo isto foram desafios de uma comissão composta por mais de vinte pessoas auxiliadas por toda a comunidade.

De 1960 a 1965, Frei Luciano assume a nova Capela, com sua coordenação tem início a fase final de acabamento interno da mesma.

Neste mesmo ano era construído, no período de cinco meses o salão comunitário. Com o salão pronto, realiza-se com grande alegria o sonho de todos, nossa Igreja, a Capela como diziam, torna-se Paróquia em 19 de março de 1966, sendo empossado às 19h deste mesmo dia, pelo Bispo Dom José Melhado Campos, nosso primeiro padre, Aldo Vanuchi.

Assim nasceu nossa Paróquia, por uma comunidade forte, perseverante, de muita fé, protegida por São José, servo fiel, prudente e justo. Aquele que Deus Pai escolheu para que protegesse toda sua família.

2018-11-20T22:44:10+00:00